Próxima safra terá o pior crescimento por área dos últimos 15 anos, segundo Itaú BBA

29/Mar 2022 16:29  - Atualizado 3 meses atrás

Mercado Interno

Desde a safra de 2007/08, o Brasil apresenta aumento na área de cultivo de pelo menos 1% ao ano. Para a safra 2022/23, o cenário muda

Com o aumento significativo de custos para incorporação de áreas de pastagem para a sojicultura, o plantio de soja do Brasil da próxima safra deverá ter aumento de apenas de 0,5% ante a temporada anterior, avaliou o Itaú BBA. O número representa o pior crescimento desde a safra 2007/08. Na safra 2020/21, o crescimento na área plantada de soja girou em torno de 3,8%, totalizando 40,7 milhões de hectares.

A redução no crescimento se dá pelo aumento significativo do custo para a expansão de áreas de cultivo, apesar do bom desempenho e alta nos preços da oleaginosa. Entre os custos que mais pesam, está o preço do cloreto de potássio, frente aos desdobramentos do conflito entre Rússia e Ucrânia, problemas de logística e fornecimentos frente a pandemia do Covid-19, e a alta na demanda global ao longo do ano de 2021. Hoje, o potássio está sendo negociado a valores quase quatro vezes maiores do que da safra passada, atingindo patamares acima de US$1.100 por tonelada. O mineral é necessário para a abertura de novas áreas de cultivo, já que serve para garantir a suplementação de sais minerais para o solo, de modo a garantir a máxima produtividade da nova área.

Com esse aumento de área esperado, o Itaú projeta uma safra brasileira em 141 milhões de toneladas, um forte crescimento ante o total de 123 milhões de toneladas previstos para a safra anterior, de 2021/22, quando as lavouras foram prejudicadas pela estiagem. Em condições normais de clima, o volume ficaria, contudo, perto do potencial não alcançado.

Os analistas do banco ainda estimam que serão necessários pelo menos dois anos para que o mundo possa normalizar a oferta de produtos agrícolas a níveis confortáveis, considerando o impacto da Covid, La Niña e o conflito no leste europeu.

Colheita no Paraná

No Paraná, a colheita de soja avançou 8 pontos porcentuais na última semana, alcançando 83% da área plantada no estado, segundo relatório do Departamento de Economia Rural (Deral). Das lavouras que ainda não foram colhidas, cerca de 59% estão em boa situação, e em situação ruim, o número reduziu para 12% da área total. 

Já em relação ao milho verão, a colheita já atingiu 85% da área plantada, com 53% dos grãos estando em boas condições, 32% em médias condições e cerca de 15% em condições ruins. Ainda segundo o Deral, 97% das lavouras estão em fase de maturação, avanço de 2% frente aos 95 pontos percentuais do levantamento anterior.

O levantamento contou também com a previsão para as culturas de inverno, levando destaque para milho safrinha, ou segunda safra. Do total da área estimada com o cereal 434,2 mil hectares, 97% já está semeada, com as condições das lavouras sendo 97% em boas condições e 3% em médias condições.