Pela oitava vez no ano, Banco Central reajusta a taxa de inflação no Brasil

07/Mar 2022 17:23  - Atualizado 4 meses atrás

Banco Central Fertilizantes Inflação Soja

Taxa passou de 5,6% para 5,65%, embora o teto previsto seja de 5%

Economia:

Devido aos desdobramentos do conflito entre a Rússia e a Ucrânia, o Banco Central reajustou a inflação, de 5,60% para 5,65% em seu relatório semanal, Focus. Reajustada pela oitava vez, a taxa tinha teto de 5%, e até fevereiro, girava em torno de 5,44%. O objetivo a ser perseguido pelo Banco Central este ano é de 3,50%, com tolerância de 2,0% a 5,0%. O Boletim Focus segue indicando, pelo segundo ano consecutivo de rompimento da meta, após o desvio de 4,81 pontos percentuais do IPCA de 2021 (10,06%).

A expectativa para o IPCA em 2023 continuou em 3,51%, mas a taxa Selic também foi reajustada, passando de 8% para 8,25% para o final de 2023. Para 2022, a estimativa para a taxa Selic manteve-se em 12,25%.

Fertilizantes:

Em relatório trimestral, a StoneX aponta redução na compra antecipada de fertilizantes para a aplicação neste ano. A redução se dá pelo aumento considerável nos preços e a deterioração da relação de troca entre commodity e insumo, desestimulando a antecipação das compras pelos produtores brasileiros. O ritmo das compras já está 16 pontos percentuais atrás em comparação ao mesmo período do ano passado, enquanto há atraso de 15 pontos percentuais na fixação dos preços dos adubos

Além do atraso na comparação anual, há também uma evolução mais lenta das compras, mesmo com o período de adubação se aproximando. A média dos atrasos circula em torno de 16% quando comparado com o ano anterior, com o Centro-Oeste sendo a região que menos comprou, caindo de 79% para 66%.

Soja:

Ao contrário das previsões, as importações de soja pela China aumentaram no cumulativo de janeiro e fevereiro em 2022, consumindo 13,94 milhões de toneladas da oleaginosa, um aumento de 4,1% em relação ao mesmo período do ano anterior.
Com a quebra de safra no sul do Brasil, seu principal fornecedor, a China se voltou para o mercado estadunidense de modo a atender sua demanda, consumindo quantidades consideráveis do grão, mas o cumulativo, segundo a Refinitiv, empresa de inteligência de dados, superou 12 milhões de toneladas nos primeiros dois meses do ano.