ONU aponta aumento de quase 25% nos preços das commodities

07/Mar 2022 17:48  - Atualizado 4 meses atrás

Mercado Externo Milho Soja

Aumento nos valores leva em conta os preços em fevereiro do ano passado, que podem crescer ainda mais com conflito entre Rússia e Ucrânia

Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), os preços mundiais de alimentos atingiram valor recorde em fevereiro, aumentando em quase 25% em relação ao ano anterior, com destaque para o aumento nos óleos vegetais e laticínios. Os preços mais altos implicam também em um aumento na inflação, e podem colocar em risco a alimentação de pessoas mais pobres de países que dependem de importações. 

O aumento pode ser parcialmente explicado pelas condições das safras e disponibilidade de exportações, mas fatores em relação ao fornecimento de energia e aumento nos preços de fertilizantes e rações podem desencorajar o aumento das produções e os investimentos na atividade. A análise ainda não foi atualizada para incluir dados após a invasão russa em território ucraniano, mas o prolongamento do conflito pode desencadear consequências ainda maiores na economia mundial.

Ucrânia:

A agência estatal da Ucrânia, a Ukrzaliznytsia, informou que tem intensão de retomar as exportações agrícolas do país por meio de ferrovias, após os ataques russos fecharem os portos ucranianos no Mar Negro e no Mar de Azov. A logística da entrega de grãos na fronteira com a Romênia, Hungria, Eslováquia e Polônia está atualmente a ser processada, reforçou a agência.

A retomada do transporte de cargas depende de uma aprovação do governo da Ucrânia para exportação, a ser emitida pelo Ministério da Economia, de acordo com a agência independente de notícias russa, Interfax. Essa autorização ocorre principalmente em produtos como ovos de galinha, carne de aves, trigo e óleo de girassol

Fonte: Valor Econômico

Uruguai:

Atingindo 44ºC, o Uruguai registrou a segunda maior temperatura da sua história neste verão, resultando na perda de centenas de milhares de aves, atingindo 135 propriedades. O número de perdas já soma 400 mil , uma média de 10 a 20% do setor no país, totalizando um prejuízo de cerca de US$1 milhão. Após alterações no regime de chuvas e temperaturas causadas pela La Niña, é necessário se atentar ao El Niño, que pode trazer novos picos de calor e alterar os regimes de chuva na América Latina.