Ministério inicia atividades de monitoramento da cigarrinha e enfezamento

24/Mar 2022 13:45  - Atualizado 3 meses atrás

Cigarrinha Mercado Interno Milho

Inseto é vetor de doenças nas plantações de milho, e MAPA procura diagnosticar a ocorrência de agentes causadores para elaborar medidas de controle

Em continuidade à avaliação da ocorrência do complexo dos enfezamentos de milho, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) iniciou, em março, as providências para a execução das atividades de monitoramento da doença nas áreas com cultivos da cultura durante o ano de 2022. A medida visa diagnosticar a ocorrência dos agentes causadores da doença para subsidiar eventuais medidas que possam reduzir ou evitar os prejuízos para os produtores de milho.

Os enfezamentos são causados por bactérias da classe Mollicutes e são classificados em dois tipos: o enfezamento pálido e o enfezamento vermelho, causados por Spiroplasma kunkelii (espiroplasma) e Maize bushy stunt phytoplasma (fitoplasma), respectivamente. Ambos os patógenos são transmitidos pela cigarrinha do milho Dalbulus maidis.

Neste ano, buscando aprimorar a sistematização dos dados e a elaboração dos mapas de ocorrência da doença, o Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas da Secretaria de Defesa Agropecuária promoveu ajustes no protocolo de monitoramento, encaminhado às Superintendências Federais de Agricultura e às Agências Estaduais de Defesa Agropecuária dos principais estados produtores de milho do país. 

Entre as orientações, encontra-se a relação das informações que necessariamente devem ser registradas durante os monitoramentos tais como coordenadas geográficas, fase de desenvolvimento da cultura, práticas de manejo utilizadas para controle da cigarrinha e os enfezamentos, níveis de danos, entre outras.

Além disso, assim como no ano anterior, a amostragem será realizada em duas etapas, começando pela coleta do inseto-vetor, caso sejam detectados no momento do monitoramento, e, posteriormente, de folhas de milho, independentemente das plantas apresentarem sintomas.

Em 2021 o Mapa, em parceria com agências estaduais de defesa agropecuária e instituições de pesquisa envolvidas no tema, realizou levantamentos fitossanitários que permitiram o mapeamento da ocorrência do enfezamento vermelho e do enfezamento pálido nas principais regiões produtoras de milho dos estados Bahia, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina, além do Distrito Federal.

Os mapas e as informações encontram-se disponíveis no site do Ministério da Agricultura.