Mercado Externo: China pode deixar de comprar até 30 milhões de toneladas de soja, afirma agência de notícias local

16/Feb 2022 16:00  - Atualizado 5 meses atrás

Fertilizante Mercado Externo Milho Soja

País asiático é o maior importador de grãos do mundo, e procura reduzir sua dependência de fornecedores externos

Mercado:

Com o objetivo de reduzir a dependência de grãos importados, a China pode reduzir sua demanda de soja em 30 milhões de toneladas, afirma a agência de notícias oficial Xinhua. O país é o primeiro importador de grãos do mundo, comprando cerca de 30 milhões de toneladas de milho ao longo de 2021.

A China importa quase 100 milhões de toneladas de soja por ano, com o objetivo de produzir farelo de soja rico em proteínas para seu setor pecuário. A redução do farelo de soja na ração recuou cerca de 2,4% em relação ao utilizado no ano de 2020, chegando a 15%. O país pode reduzir o uso de farelo de soja em mais 23 milhões de toneladas, reduzindo suas necessidades de soja em quase 30 milhões de toneladas, se continuar a promover a alimentação de criações com baixo teor de proteína, acrescentou o relatório.

Soja:

Após a expectativa de redução de estoques internos, o processamento de soja nos Estados Unidos em janeiro fechou abaixo de todas as estimativas de analistas, embora o esmagamento ainda tenha sido o segundo maior já registrado para o primeiro mês do ano. Apesar disso, os suprimentos de óleo de soja apresentaram aumento, sendo o segundo maior estoque de fim de mês desde abril de 2020, diz Associação Nacional de Processadores de Oleaginosas (NOPA, na sigla em inglês).

Visita à Rússia

Em missão diplomática na Rússia, o presidente da república Jair Bolsonaro terá como tema central o agro e possíveis relações entre os países. Acompanhado por Ricardo Santin, presidente da Associação Brasileira de Proteína Animal (ABPA), que participou do Fórum dos Conselhos de Empresários da Rússia e do Brasil, Bolsonaro deve abordar interesse na importação de insumos, como fertilizantes e defensivos agrícolas frente às atuais instabilidades de mercado, além da exportação de proteínas brasileiras para os russos, que enfrentam problemas sanitários em relação à Peste Suína Africana.

 A preocupação do setor produtivo é no recente bloqueio de exportação desse insumo pelos russos, que visa atender a demanda doméstica do país euroasiático. O Brasil também importa da Rússia um volume de adubos nitrogenados próximos a 21%, os quais são essenciais para várias culturas.

Segundo informações divulgadas à imprensa por representantes do agro que integram a comitiva que compõe a missão diplomática, e a crise com a Ucrânia não impedirá que Brasil e Moscou ampliem suas relações comerciais. Além dos interesses do agronegócio, a Rússia ocupa a sexta posição no ranking das nações que mais exportam bens para o Brasil.

Viagem ao Irã:

Ministra da Agricultura viaja ao Irã para tratar de relação comercial, e discutir a possibilidade de importar ureia do país. Irã é um importante consumidor de milho e soja brasileiro. A visita deve incluir reuniões com o Ministro da Agricultura local, com o presidente da Comissão de Agricultura do parlamento iraniano, e outros.