Índice de Preços de Alimentos da ONU tem aumento recorde em março

08/Apr 2022 16:22  - Atualizado 3 meses atrás

Mercado Interno

A alta de mais de 12% deixou o índice em uma média de 159 pontos, o maior já registrado desde o início da avaliação, em 1990

O Índice de Preços de Alimentos da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) alcançou média de 159,3 pontos em março, alta de 17,9 pontos (12,6%) ante fevereiro, sendo este o maior nível já alcançado desde o início da avaliação, em 1990. A alta foi liderada pelos aumentos dos subíndices de preços de óleos vegetais, cereais e carnes. Os subíndices de preços de açúcar e de laticínios também avançaram significativamente.

O subíndice de preços dos cereais registrou média de 170,1 pontos em março, um aumento de 24,9 pontos (17,1%) em relação a fevereiro e o maior patamar desde 1990. Segundo a organização, a alta foi sustentada pelas interrupções de exportação relacionadas à Ucrânia e, em menor grau, à Rússia. Os preços globais do milho, cevada e sorgo atingiram seus níveis mais altos desde 1990, impulsionados pelas restrições à exportação da Ucrânia,aliado aos elevados custos de energia e fertilizantes, representando aumento de 19,1% nos preços mundiais do milho.

Economia:

A alta nos preços dos alimentos reflete nos indicadores de economias internas no Brasil. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a inflação oficial, registrou taxa de 1,62% em março deste ano. O indicador ficou acima dos observados no mês anterior, e em março do ano passado, sendo a maior taxa para um mês de março desde a implantação do Plano Real, em 1994.

O dado foi divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O IPCA acumula taxa de 3,20% no ano. Em 12 meses, o acumulado chega a 11,30%, acima dos 10,54% de fevereiro.

O principal impacto na inflação de março veio dos transportes, que subiram 3,02% no mês. A taxa foi puxada pela alta nos combustíveis, que subiram 6,70% no período. A gasolina foi o item de maior impacto no IPCA de março (6,95%).

Outros combustíveis com alta de preços foram o óleo diesel (13,65%), gás veicular (5,29%) e etanol (3,02%). Também tiveram aumento itens como transporte por aplicativo (7,98%), seguro voluntário de veículo (3,93%) e conserto de automóvel (1,47%).

Mercado Futuro:

O aumento nos preços dos grãos, aliado às altas no petróleo e fertilizantes vem gerando incertezas e desacelerando a venda de soja antecipada no Brasil, segundo informações da Datagro. Com uma média histórica de 8,4%, os índices atuais estão girando em torno de 6,9%. Sem garantia de uma plena produtividade do grão, os vendedores se acanham, evitando apostar na próxima safra até terem resultados mais concretos.