Greve de caminhoneiros na Argentina segue pelo segundo dia

12/Apr 2022 18:03  - Atualizado 3 meses atrás

Mercado Externo

País se encontra no pico da safra, e depende fortemente de vias terrestres para o escoamento e exportação de grãos

Caminhoneiros argentinos estenderam uma greve no transporte de grãos do país, em meio a convocações para uma reunião com o governo. O protesto ocorre em meio ao pico da safra, e visa exigir taxas de frete mais altas em meio à disparada dos preços dos combustíveis e da inflação no país.

A greve, que seguirá por tempo indeterminado, ainda não atingiu as exportações do país devido às grandes reservas nos silos de grãos nos portos, mas um prolongamento do protesto pode começar a afetar os embarques, dado que 85% dos grãos da Argentina são transportados pelo país por caminhões.

O Ministério dos Transportes do país convocou uma reunião para continuar o diálogo com os caminhoneiros.

China:

A demanda chinesa por soja começa a se enfraquecer em resposta aos preços altos da matéria-prima e à piora nas margens de produção de carne suína no país, segundo dados do Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), que reduziu pelo terceiro mês consecutivo a perspectiva de importação do país. Desde fevereiro, a projeção caiu 9 milhões de toneladas, para 91 milhões, bem abaixo dos 99,76 milhões de toneladas de 2020/21 e dos 98,53 milhões de toneladas de 2019/20. 

Mesmo os leilões das reservas estatais chinesas, anunciados em fevereiro e iniciados em março e que vêm sendo realizados semanalmente em abril, não têm atraído demanda expressiva, com menos da metade do volume ofertado foi arrematado nos dois realizados neste mês.