Estimativa para oferta de milho aponta aumento de 23% frente o ano anterior

05/Apr 2022 17:47  - Atualizado 3 meses atrás

Mercado Interno

A estimativa vem da Safras & Mercado, e aponta crescimento para oferta, produção, exportação, consumo total e estoques finais do cereal

A consultoria Safras & Mercado estima os resultados da safra atual de milho em uma oferta de 124,185 milhões de toneladas para o mercado interno, aumento de quase 23% frente às 101,070 milhões de toneladas do ano anterior.

Para a produção, a estimativa é de 118,156 milhões de toneladas para 2022, acima das 91,469 milhões de toneladas registradas na safra anterior, enquanto que as exportações de milho estão previstas em 36 milhões de toneladas, ante as 20,78 milhões de toneladas registradas em 2021.

 Já para as importações, o volume previsto é de 1,8 milhão de toneladas, abaixo das 3,089 milhões de toneladas projetadas em 2021. O consumo total de milho e os estoques finais estão previstos em 114,557 milhões de toneladas e 9,628 milhões de toneladas, respectivamente.

Auxílio:

O Governo Federal, por meio do Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR), vai repassar R$125,8 mil a duas cidades brasileiras atingidas por desastres naturais. A maior parte dos recursos, R$75 mil, será destinada ao município de Caraí, em Minas Gerais, que foi atingido por chuvas intensas. O valor será utilizado na recuperação de uma ponte de madeira danificada pelo desastre.

Já para a cidade de Roca Sales, no Rio Grande do Sul, serão repassados R$50,8 mil para amenizar os efeitos da estiagem. O recurso será usado na compra de cestas básicas e de um reservatório de água potável, que deverá beneficiar 300 pessoas.

Adubos Orgânicos:

Pesquisadores da Universidade Estadual Paulista (Unesp) estudam a aplicação de adubos orgânicos, produzidos a partir da compostagem do lodo proveniente do tratamento do esgoto, a fim de determinar as melhores práticas de manejo do composto em lavouras. Entre as investigações realizadas, houve resultados positivos no uso do adubo como fonte orgânica de nutrientes para o solo do Cerrado, em culturas de milho e soja.

Os estudos, desenvolvidos pelo Grupo de Estudo em Nutrição, Adubação e Fertilidade do Solo (Genafert) do campus Ilha Solteira da Unesp e liderados pelo professor Thiago Nogueira, envolvem variáveis como a busca da dose mais adequada para aplicação nas plantações, da periodicidade e da forma mais efetiva dessa aplicação, além de se identificar as culturas que apresentam melhores retornos após a aplicação do composto.

Em uma das etapas da pesquisa, desenvolvida durante o projeto de mestrado de Adrielle Rodrigues Prates, os dados mostraram que a aplicação do composto oriundo do tratamento de esgoto aumentou a concentração de micronutrientes no solo e nas folhas, além de elevar em 67% a produtividade da soja, em comparação com a média brasileira.

Após a aplicação do composto e semeadura da soja, os pesquisadores fizeram a semeadura do milho para estudar o efeito residual do adubo nesta segunda cultura, o que resultou também em benefício da produtividade. O milho teve aumento de mais de 100% na produtividade em relação à média brasileira, conforme apontou Adrielle.

A pesquisadora explicou que o aumento da concentração de micronutrientes no solo, resultado do uso do composto oriundo do lodo do tratamento de esgoto, é importante porque o solo se comporta como uma reserva de nutrientes para a planta.

Ela avalia a necessidade de estudo a longo prazo dessa aplicação do composto, para acompanhar como o solo vai se comportar e para evitar eventos de toxicidade nas culturas. 

Além do benefício para as plantações, a compostagem desse material resultante do tratamento de esgoto pode atenuar poluição ambiental e o volume de matéria orgânica que acaba nos aterros sanitários.