ESG no agronegócio: quais os principais desafios?

15/Mar 2022 10:20  - Atualizado 4 meses atrás

esg esg no agronegócio sustentabilidade

Sustentabilidade, responsabilidade social e governança. O que isso tem a ver com o agronegócio? Saiba a resposta para essa e outras perguntas sobre o assunto!

O ESG tem se estabelecido como uma grande moeda de valor. Afinal, traduz a preocupação de consumidores e da comunidade em geral com questões de sustentabilidade, responsabilidade social e governança para empresas e entidades.

No agronegócio, atividade essencial na produção de alimentos em todo o mundo, a cobrança pelas práticas ESG é cada vez mais presente, e todos os envolvidos nessa cadeia precisam se atentar para isso. O que antes era um diferencial, hoje passa a ser uma necessidade de empresas que querem ser competitivas no mercado.

Se você não sabe o que é ESG, ou quer dar os primeiros passos para implantar essas práticas no seu negócio, a Tarken te ajuda. Continue lendo para saber mais!

O que é ESG?

Antes de estabelecer a relação dessa tendência com o agronegócio, é preciso entender o que significa ESG. A sigla em inglês significa Environmental, Social and Governance — traduzindo para o português, Ambiental, Social e Governança — e se refere a um conjunto de boas práticas voltadas para esses pilares.

Mais do que isso, o ESG representa uma mudança de mentalidade no campo de negócios. Mais do que resultados financeiros, investidores têm buscado cada vez mais, empresas e entidades preocupadas com os impactos ambientais, responsabilidade social e uma gestão transparente em suas operações.

Por que o ESG é importante?

Por se tratar de uma tendência a nível global, fica claro que o ESG tem grande importância no mundo dos negócios — e em vários ramos. Isso se dá por alguns motivos.

A sociedade tem se preocupado cada vez mais com questões relativas à sustentabilidade, responsabilidade social e governança, e essa cobrança é direcionada também para as empresas. Dessa forma, empresas alinhadas aos conceitos e práticas do ESG estão de acordo com as expectativas dos consumidores e, consequentemente, de investidores e parceiros de negócio, se tornando mais competitivas.

Além do valor no que diz respeito ao consumidor e ao mercado financeiro, o ESG está alinhado com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODSs) estabelecidos pela ONU em 2015 para serem atingidos até o ano 2030. Esses objetivos visam o caminho que indivíduos e corporações precisam seguir para alcançar o desenvolvimento sustentável a nível global.

O que é ESG no agro?

O agronegócio não fica de fora desse assunto, sobretudo no Brasil, onde é uma das principais atividades econômicas. Sendo assim, o ESG no agro é o conjunto de práticas que visam tornar a atividade agrícola mais sustentável, e com impactos positivos em responsabilidade social e governança.

Uso consciente de recursos naturais, transparência na gestão e processos da operação, proteção do direito às leis trabalhistas e respeito à diversidade são apenas alguns dos exemplos do que pode ser feito para se alinhar aos pilares do ESG.

Como as questões ambientais impactam o agronegócio?

O agronegócio é uma das atividades mais expressivas no Brasil, seja no que diz respeito à geração de empregos, importância econômica e impactos ambientais. Dessa forma, é importante encontrar caminhos para tornar a atividade agrícola mais sustentável.

Isso se dá por meio da preservação de recursos ambientais, aumento da produtividade das lavouras de forma sustentável, rotação de culturas, entre outras práticas. O uso consciente da água e a adoção de métodos de captação da água da chuva também são formas de alcançar uma atividade agrícola de menor impacto.

Nesse sentido, um grande aliado do agronegócio para cuidar do meio ambiente é a tecnologia, e as agtechs brasileiras estão cada vez mais preparadas para encarar esse desafio. 

Alguns exemplos do que podemos chamar de “tecnologia verde”: uso de GPS para gestão do campo, a automatização do trabalho de máquinas agrícolas e plataformas de mapeamento e negociação dos produtos — como é o caso da Tarken.

Entretanto, o maior desafio do agronegócio para lidar com as questões ambientais é a redução da emissão de gases de efeito estufa — sobretudo, o carbono. Nesse sentido, o Brasil tem o Plano Agricultura de Baixa Emissão de Carbono (Plano ABC), que tem o objetivo de incentivar produtores a adotarem práticas para a mitigação desses gases em suas operações.

Qual a importância da responsabilidade social no agronegócio?

A geração de empregos proporcionada pelo agronegócio é expressiva. De acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED), a participação do ramo no mercado de trabalho é de cerca de 20,1%, equivalente a mais de 17 milhões de pessoas.

Por esse motivo, ter uma atividade que priorize a responsabilidade social também é fundamental neste ramo. Isso se dá por meio de ações que valorizem e protejam os profissionais, como salários justos, políticas de diversidade, igualdade e combate ao assédio no ambiente de trabalho. Não podemos nos esquecer, é claro, de que é fundamental que os trabalhadores estejam enquadrados na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT).

Mas, quando pensamos no pilar social do ESG, muitas vezes nos limitamos a acreditar que o nosso foco deve ser nas pessoas empregadas pelo agronegócio. De fato, este é um dos públicos que merece atenção sobre o tema, mas não o único: também é preciso considerar a comunidade no entorno das operações.

Buscar meios de estabelecer uma relação de confiança e parceria com a comunidade é uma forma de fortalecer o pilar social do ESG, uma vez que eles costumam ser impactados indiretamente com a atividade agrícola — ruídos sonoros provenientes da operação, caminhões de entrega de materiais ou de transporte dos produtos, etc.

Como as práticas de governança podem impactar o agronegócio?

A governança é o último pilar do ESG, porém, é tão importante quanto os demais, ou até mais. Isso porque, é a liderança da empresa que deve prezar para que os compromissos e práticas do ESG sejam de fato, implementados nas operações, seja no campo ambiental, seja no social.

Ter gestores comprometidos e uma operação transparente é o caminho para ter governança no agronegócio. E, para auxiliar que essas práticas sejam executadas, é aconselhável adotar métodos como auditorias e comitês que cobrem essa postura.

Agronegócio sustentável: conte com a Tarken

A tecnologia é uma das formas de se ter práticas ESG na atividade agrícola, e a Tarken pode ser uma grande aliada nessa mudança de mentalidade. Por meio de uma plataforma segura e completa, o produtor pode negociar grãos com mais de um comprador e combinar todos os detalhes da entrega por lá, reduzindo tempo, esforço e custos gerados nesse processo. Faça uma demonstração e confira, na prática, a facilidade e benefícios de se contar com essa tecnologia: