Embargos econômicos podem afetar fornecimento de fertilizantes no Brasil

25/Feb 2022 15:47  - Atualizado 4 meses atrás

Agronegócio Fertilizantes Milho Soja

A Rússia é um dos principais fornecedores de fertilizantes do Brasil, e embargos econômicos do ocidente podem afetar a próxima safra de grãos

Em clima de tensão após ações militares de tropas russas em território ucraniano, o Brasil pode ter a competitividade de suas exportações agrícolas colocada em risco devido ao aumento expressivo dos preços de fertilizantes e adubos no mercado mundial. O conflito já gera instabilidade nas bolsas de grãos e mercados futuros em todo o globo, e as operações logísticas já sofrem com o fechamento dos portos no Mar Negro e a instabilidade de fornecimento de petróleo.

O Brasil importa cerca de 85% dos insumos utilizados para a fabricação de fertilizantes no país, dos quais 22% são oriundos da Rússia. Além disso, o Brasil importa todo o seu consumo de cloreto de potássio, cerca de 4 milhões de toneladas, da Rússia e da Belarus, país também envolvido nos conflitos e que sofre embargos econômicos desde o início de fevereiro. O sal é hoje o insumo que mais preocupa produtores no curto prazo.

Como alternativa, o Brasil será obrigado a recorrer a novos parceiros econômicos para atender a demanda de fertilizantes e seus insumos de fabricação, alternativa que irá implicar, necessariamente, no aumento do preço de fertilizantes, que será repassado ao longo da cadeia produtiva e consumidora. Além disso, o tempo decorrido entre os embargos ocidentais à Rússia, junto aos trâmites de se encontrar um novo fornecedor, fechar contratos, realizar o envio, refinamento e realizar as entregas ao longo de todo território brasileiro põe em risco a janela de plantio de grãos no país, afetando a produtividade e possibilidade de crescimento da safra 2022/23. 

A margem de lucro do produtor rural, que já sofre com as intempéries climáticas causadas pela La Niña, como a estiagem prolongada no sul e o regime irregular de chuvas e enchentes no sudeste, desde 2021, será reduzida. 

A StoneX Brasil, consultoria e rede de serviços financeiros voltados para o mercado agro, apontou aumento de US$65 para a tonelada de ureia, fertilizante sólido, entre quarta-feira (23/02) e quinta-feira (24/02).