Custo de produção da soja volta a subir no Mato Grosso, segundo IMEA

19/Apr 2022 14:43  - Atualizado 3 meses atrás

Mercado Interno

Custos por hectare da safra giram em torno de R$4.800, enquanto os gastos de produção total já chegam a R$7.300 por hectare

No Mato Grosso, o custo de produção da soja volta a subir, de acordo com o Instituto Mato-grossense de Economia Agropecuária (IMEA), que estima, em seu relatório semanal, o aumento de 1,21% frente ao mês de fevereiro, totalizando R$4.761,44 por hectare. O custo de produção total também aumentou, sendo 1,16% maior na mesma base de comparação, para R$7.371,09/ha.

Estima-se que o custo foi puxado pelo aumento no preço dos fertilizantes, influenciado ainda pela crise de abastecimento e conflito no leste europeu, além da crise energética e lockdowns na China. Os preços dos fertilizantes aumentaram em relação a fevereiro, estimados na média mensal em R$3.784,38/t e R$7.161,75/t, para os adubos nas variações Super Simples (SSP) e de fosfato monoamônico (MAP). A relação de troca do SSP piorou 13,78% e a do MAP, caiu em 21,78%. Para que o produtor consiga uma tonelada de Super Simples, é necessário comercializar 25 sacas de soja, enquanto que para uma tonelada do monoamônico, são necessárias 48 sacas da oleaginosa.

Milho:

Para o milho, o IMEA liberou em seu boletim as estimativas de produção e oferta da safra atual no estado, que foi reajustada para 40,57 milhões de toneladas, representando um avanço de 24,56% em relação ao ciclo 2020/21. A estimativa de produção também foi ampliada, para 40,56 milhões de toneladas, dado ao aumento da área e boas perspectivas quanto ao desenvolvimento produtivo da safra.

Também foram revisados os números relativos ao consumo interno de milho no Estado, para 11,92 milhões de toneladas, recuo de 1,22% ante a estimativa anterior, decorrente do ajuste nas estimativas de compras de milho de algumas usinas no estado, segundo o instituto. Para os outros estados, a demanda deve alcançar 3,42 milhões de toneladas, representando um acréscimo de 1,81% ante o relatório anterior, pautado pela redução nas estimativas iniciais da produção da primeira safra do cereal no Sul do país.

Para as exportações de milho mato-grossenses, o Imea projetou embarques de 24,73 milhões de toneladas, ajuste 4,14% superior em relação à estimativa anterior. Em relação ao consumo total do milho produzido no Mato Grosso, estima-se, para a safra 2020/21, queda de 8,17% frente à safra anterior, o que corresponde a 32,57 milhões de toneladas. Dentro disso, o consumo em Mato Grosso foi reajustado negativamente pelo Imea e ficou previsto em 11,36 milhões de toneladas.