Conab lança modalidade de leilão para contratos a termo de milho

27/May 2022 16:38  - Atualizado 1 mês atrás

mercado do milho Mercado Interno

Deral mantém estimativa de 2ª safra de milho do Paraná em recorde de 16 milhões de toneladas

A Conab anunciou uma nova modalidade de leilão para os pecuaristas do país que usam o milho na ração. Com as dificuldades enfrentadas pelos criadores para comprar o produto por altos preços neste ano, a empresa oferece a possibilidade de apoio ao abastecimento do setor, via sistema de comercialização eletrônica da Conab, no “Leilão Pra Você”, pela modalidade de Contrato a Termo.

“Esse modelo garante aos pecuaristas, os maiores prejudicados com a volatilidade no mercado de milho, a construção de uma estratégia sólida para garantir o abastecimento regular no futuro, mesmo nos períodos de entressafra ou de quebra da produção”, explica o superintendente de Logística Operacional da Conab, Thomé Guth. “Isso porque o Contrato a Termo permite a compra futura de milho, em um processo totalmente privado, com o apoio operacional e técnico da Companhia”.

O novo sistema pode ser usado tanto para garantir um preço fixo na compra com entrega futura quanto para assegurar a fixação de preços de acordo com termos pré-definidos em edital. Entre as vantagens, além da garantia de abastecimento, o Contrato a Termo pode ser feito sob medida ou padronizado, possui baixo custo operacional e a Conab ainda pode ofertar as unidades graneleiras como entreposto, caso haja necessidade. Há também a diminuição do risco de negativa na tomada de crédito, ou seja, a credibilidade da Companhia pode favorecer a segurança e transparência nas negociações.

Nos últimos três anos, sobretudo com a questão do conflito na Ucrânia, as cotações de milho e farelo de soja estão acima da média histórica, aumentando a necessidade de uma gestão de riscos por parte tanto do produtor quanto do criador, uma vez que aumenta o grau de incertezas. Há uma concentração da produção de milho na 2ª safra, com um peso maior no Centro-Oeste, aumentando o volume de produção em período de maior risco climático, onde uma quebra de safra impacta diretamente no abastecimento e preços internos, e a alternativa de importação pode ter um custo muito elevado. Com isso, o impacto tende a ser maior para os produtores independentes, que ainda enfrentam  um forte risco de desabastecimento em caso de significativa redução na produção.

Outro ponto positivo, é que o Contrato a Termo pode ser solicitado em qualquer tempo, por produtores e pecuaristas, diretamente nas unidades da Conab em todo o país, independente do valor que o produto esteja sendo praticado pelo mercado. Isto porque trata-se de uma operação entre dois entes privados, utilizando a plataforma eletrônica da Conab como meio de negociação.

Safra no Paraná

A segunda safra de milho do Paraná 2021/22 foi estimada nesta quinta-feira em 16 milhões de toneladas, de acordo com levantamento do Departamento de Economia Rural (Deral), que manteve a projeção de uma produção recorde no Estado em seu levantamento mensal.

Isso deverá representar um crescimento de 180% ante a temporada passada, quando seca e geadas afetaram as produtividades.

A colheita de milho segunda safra está próxima de começar no Estado, com 14% das áreas em maturação.

A safra de soja do Paraná 2021/22, já colhida, foi ajustada para 12 milhões de toneladas, ante 11,8 milhões na previsão de abril. Com a seca no início do ano, a produção da oleaginosa cairá 39% versus o ciclo anterior.

O volume representaria crescimento de 21% ante 2021, mas a safra ainda precisa de boas condições climáticas para se confirmar grande.