Comércio do agronegócio brasileiro registra saldo positivo de US$9,3 bi

23/Mar 2022 15:48  - Atualizado 3 meses atrás

Agronegócio Mercado Externo Mercado Interno Milho Soja

Alta foi motivada pelo aumento significativo nos preços das commodities no mercado externo

Em dados do balanço comercial, o Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) divulgou os dados de fevereiro de 2022 do comércio exterior do agronegócio brasileiro, com o Brasil registrando saldo positivo de US$9,3 bilhões no mês. A alta é justificada, em parte, devido à elevação de preços internacionais das principais commodities.

As exportações fecharam em fevereiro com US$10,5 bilhões no total, representando aumento de 64,5% na comparação com fevereiro do ano passado, e com o valor das importações atingindo US$1,2 bilhão, 2% a mais do que no ano anterior.

O preço internacional da soja e do milho estão próximos das máximas históricas, com o valor mensal das exportações ficando acima do registrado em qualquer mês de 2019 e 2020.

A exportação ajudou a conter o viés de valorização dos preços que durava desde o fim do ano passado e se agravou com a eclosão do conflito entre Rússia e Ucrânia.

No acumulado dos últimos doze meses, o valor das exportações do agronegócio registrou um crescimento de 27,1% ante igual período do ano anterior, contribuindo para a alta de 30,1% no saldo da balança comercial do setor, o que corresponde a US$113,6 bilhões neste período.

Importações

O Ipea reforça que há dois fatores que têm contribuído para mudanças significativas no comércio mundial de commodities: o primeiro, que se refere às mudanças climáticas e outros fenômenos como a La Niña e as estiagens que impactaram a produção de grãos, açúcar, café e proteína animal, e o segundo, relaciona-se à incerteza quanto à oferta de diversos produtos comprometidos pela guerra entre Rússia e Ucrânia. 

Os países no entorno do conflito, como Bulgária e Hungria, reduziram ou suspenderam as exportações de grãos devido ao risco de desabastecimento interno. Em consequência, os preços dos ativos energéticos, metálicos e grãos sofreram fortes altas em março. Enquanto isso, as demais soft commodities, como açúcar, café, cacau e até mesmo a carne bovina, interromperam a sequência de altas, revertendo em queda, devido a sua menor essencialidade em um cenário de conflitos.