Com greve no Canadá, fornecimento de fertilizantes no Brasil corre risco

21/Mar 2022 16:25  - Atualizado 3 meses atrás

Agronegócio Fertilizantes Mercado Externo Mercado Interno Milho Soja

Cerca de 75% de todos os fertilizantes produzidos no Canadá são escoados por ferrovias

Uma semana após o anúncio de possibilidade de greve, funcionários e líderes sindicais da Canadian Pacific Railway paralisaram as atividades, interrompendo a cadeia de transporte de inúmeros produtos no país, incluindo fabricantes de fertilizantes e outros insumos agrícolas no país.

A greve, antes prevista para se iniciar dia 16 de março, é uma iniciativa para que funcionários reivindiquem melhores condições de trabalho e remuneração. A interrupção dos serviços preocupa entidades do Canadá e outros países, frente o momento de compra de insumos e plantio frente a primavera no Hemisfério Norte, e a dependência do escoamento de fertilizantes produzidos no país, dado que 75% de todos os fertilizantes canadenses são transportados por via ferroviária.

Com o desdobrar da guerra entre Rússia e Ucrânia, o setor agrícola mundial sofreu um grande impacto com a suspensão do comércio de alimentos, insumos, fertilizantes e combustíveis, afetando as cotações e preços dos alimentos ao longo do globo, e fazendo o preço subir em até 20%, de acordo com a Organização para Alimentação e Agricultura das Nações Unidas – FAO (Food and Agriculture Organization)

A Rússia é o maior fornecedor de fertilizantes do Brasil, e oferece cerca de 20% dos 85% de fertilizantes utilizados no país. Com o conflito e incertezas de fornecimento dos insumos agrícolas, a Ministra da Agricultura, Tereza Cristina, viajou ao Canadá em missão diplomática, de modo a estabelecer relações comerciais com fabricantes do setor de fertilizantes do país. 

Após reuniões com a ministra, os representantes canadenses concordaram em aumentar o volume de vendas de produtos para o Brasil. A greve, no entanto, pode pôr em risco esta nova relação.