China irá vender parte da soja de suas reservas estatais

22/Feb 2022 16:25  - Atualizado 4 meses atrás

Mercado Externo Milho Soja

Medida surge para tentar frear a alta no preço de mercado da oleaginosa após redução das exportações brasileiras

Mercado Chinês:

Em anúncio, a China afirma que venderá parte da soja de suas reservas estatais para aumentar a oferta do grão no mercado mundial. A medida surgiu como resposta à baixa das exportações de soja no Brasil devido a questões climáticas e a quebra de safra, motivando a alta nos preços da oleaginosa e seus derivados. A preocupação é que a situação dure até abril, motivando uma alta ainda mais significativa nos preços do grão.

A China pretende ainda aumentar e melhorar a área plantada de grãos e a capacidade de produção de soja e outras oleaginosas, afirma em documento oficial. O documento traz o plano anual de política rural do país, que pretende incentivar e expandir a produção de oleaginosas no país.

Além de aumentar o número de subsídios de plantações, Pequim também disse que lidará ativamente com o impacto desfavorável do plantio tardio de trigo e controlará rigorosamente a produção de etanol combustível à base de milho, de acordo com o principal documento rural para 2022, informou a Xinhua.

Seca na Argentina:
Tempo seco na Argentina deve continuar a afetar negativamente as safras de soja e milho 2021/22 no país, disse a Bolsa de Cereais de Buenos Aires. A Bolsa atribui a redução pela inferência da La Niña ao regime de precipitações do país, situação que ocorre desde dezembro de 2021, e deve se manter até meados de março. A previsão da safra atual é de 42 milhões de toneladas para soja e 51 milhões de toneladas para o milho, números tímidos perante o maior exportador de óleo e farelo de soja, e segundo maior exportador de milho do mundo.