BNDES suspende linha de crédito rural da Pronaf

27/Apr 2022 15:06  - Atualizado 2 meses atrás

Mercado Interno

Pronaf era a única linha de crédito rural não suspensa pela normativa do Tesouro Nacional

Após aprovação de novo orçamento para a suplementação do Plano Safra 2021/22, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) anunciou a suspensão de novas operações de financiamento por meio do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf Custeio), com estimativa de juros prefixados de 3% ao ano, sua única linha de crédito ainda em operação.

Em normativa do Tesouro Nacional, devido à falta de recursos para a equalização de juros frente aumento na Taxa Selic, as linhas de crédito do Plano Safra 2021/22 foram suspensas no início de fevereiro. A justificativa para a nova suspensão foi o aumento significativo na diferença entre a taxa Selic e a taxa cobrada de produtores nos financiamentos.

Inflação:

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) reajustou o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), que mede a prévia da inflação oficial, em 1,73% para o mês de abril. O resultado ficou acima das taxas de março deste ano, em 0,95%, e de abril de 2021, ficando em 0,60%. Essa é a maior variação mensal desde fevereiro de 2003, que estava em 2,19%, e a maior para um mês de abril desde 1995, quando o índice atingiu 1,95%.

Com o resultado, o IPCA acumula taxa de 4,31% no ano, chegando a 12,03% no acumulado de 12 meses, acima dos 10,79% acumulados no IPCA de março. 

Oito dos nove grupos de despesa tiveram alta de preços em abril. O maior impacto veio dos transportes, que registraram inflação de 3,43% na prévia do mês.

Entre os itens que se destacaram no período estão os combustíveis, que registraram alta de 7,54%, devido ao aumento nos preços da gasolina, que subiu 7,51%, do óleo diesel, com crescimento de 13,11%, etanol, com 6,60% e gás veicular, com 2,28%.

Greve:

O Sindicato dos Auditores Fiscais Federais Agropecuários (Anffa Sindical) irá discutir, nos próximos dias, a possibilidade de uma greve dos serviços, após reunião com o Ministro da Agricultura, Agropecuária e Abastecimento, Marcos Montes. No encontro, os representantes da Anffa pleitearam por um ajuste acima dos 5% propostos após a paralisação geral dos servidores públicos. Ainda de acordo com a Anffa, o ajuste não é o suficiente para cobrir os aumentos inflacionários dos últimos 5 anos, período no qual o salário da categoria não foi ajustado. O ministro, no entanto, manteve a proposta de 5%.