Banco Central eleva taxa de inflação e juros para 2022 e 2023, e reduz PIB

26/Apr 2022 18:05  - Atualizado 2 meses atrás

Mercado Interno

BC aumentou a inflação média de 2023 para 4%, enquanto a taxa Selic fica em 13,15% para 2022 e 9% em 2023

Em novo Boletim Focus, o Banco Central (BC) estima a inflação média de 2023 em 4%, aumento de 0,9% frente à estimativa anterior. O ajuste foi calculado com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Para 2022, as instituições financeiras elevaram de 7,46% para 7,65% a previsão para a inflação medida pelo IPCA.

A previsão de inflação nos preços administrados em 2022 aumentou de 6,86% para 7,09%, enquanto a projeção para a inflação medida pelo IGP-M subiu de 11,54% para 12,35%.

O Boletim Focus também elevou a estimativa de juros para este ano, com estimativa para a taxa Selic subindo de 13,05% para 13,25%. As instituições financeiras ouvidas pelo Banco Central mantiveram em 9% a previsão para a taxa básica de juros (Selic) ao final de 2023.

O Boletim Focus do Banco Central reduziu  de 1,12% para 1% a previsão para o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em 2023. A projeção para 2022 aumentou de 0,56% para 0,65%.

Crédito Rural:

O Banco do Brasil estima que já desembolsou, na atual safra agrícola (2021/2022), R$119 bilhões em crédito para o setor agro, um aumento de 46% no volume concedido frente ao mesmo período do ano passado.

O Banco do Brasil é líder em crédito agrícola no País, com cerca de 54% do total, considerando os dados do quarto trimestre de 2021. As linhas de crédito do BB vão do custeio às direcionadas à industrialização e armazenagem de produtos agrícolas.

O banco também realiza operações com títulos do agronegócio, como a Cédula de Produto Rural (CPR) e o Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCA).

Plano Safra:

Com a greve dos servidores públicos, os desenvolvimentos do Plano Safra 2022/23 foram interrompidos, e as informações devem ser liberadas no fim de junho, com atraso de um mês frente ao anúncio anterior.