Anec reduz estimativa de exportação de soja em 800 milhões de toneladas

16/Mar 2022 15:48  - Atualizado 4 meses atrás

Mercado Interno Milho Soja

Estimativa engloba as exportações da oleaginosa ao longo do mês de março

Em nova estimativa, a Associação Nacional dos Exportadores de Cereais (Anec) reduziu a exportação de soja em março para 12,9 milhões de toneladas, ante 13,769 milhões de toneladas previstas na semana anterior. O total embarcado em fevereiro totaliza 9,113 milhões de toneladas.

Em relação ao farelo de soja, os embarques devem totalizar 2,012 milhões de toneladas, crescimento ante o 1,782 milhão de toneladas projetado anteriormente, também acima do volume de 1,573 milhão de toneladas de fevereiro.

Já para o milho, a Anec prevê embarques de 55 mil toneladas neste mês, ante as 523 mil toneladas exportadas em fevereiro. Apesar de significativamente menor do que no mês anterior, o volume previsto ultrapassa as expectativas iniciais da entidade, que não previa exportações de milho em março.

Na semana de 6 a 12 de março, o Brasil exportou 2,874 milhões de toneladas de soja, 201 mil toneladas de farelo de soja, e nenhum volume de milho.

Para o período de 13 a 19 de março, a Anec estima que serão exportadas 3,684 milhões de toneladas de soja e 452.671 toneladas de farelo de soja, mas não são esperados embarques de milho. As projeções se baseiam na programação de navios nos portos brasileiros.

Colheita:

Segundo a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a colheita da soja no estado do Maranhão tem avançado significativamente, atingindo níveis de produtividade em torno de 56 sacas por hectare. O bom desempenho foi motivado pelas condições climáticas favoráveis, sobretudo a distribuição e o acumulado de chuvas, e estima-se que pelo menos 44% da colheita já tenha sido concluída.

Já para o milho, o plantio das lavouras de milho 2ª safra no estado do Maranhão avançam em bom ritmo, assim como a soja. A Conab estima que cerca de 75% da área desse cereal esteja plantada.

Fertilizantes:

Mediante a preocupação do agronegócio com a redução ou interrupção de carregamentos de fertilizantes com conflito na Ucrânia, o ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, afirma que o governo federal montou um esquema especial nos portos do país para receber os insumos. Os navios que chegarem ao Brasil com a mercadoria não precisarão enfrentar filas para descarregar, de modo a tornar a descarga do produto a mais rápida possível.

O ministro afirmou que o trabalho foi um esforço conjunto entre o Ministério da Agricultura e o Ministério da Infraestrutura, e visa não deixar o agricultor desamparado no recebimento das mercadorias.

Por fim, o ministro deu ainda um retorno sobre combustíveis, dizendo que o governo está estudando diferentes possibilidades para combater a alta nos valores, como ações tributárias e cambiais.

Segundo a Associação Nacional para Difusão de Adubos (Anda), as entregas de fertilizantes ao consumidor final somaram 45,855 milhões de toneladas de janeiro a dezembro em 2021, representando alta de 13% ante o ano anterior. Em dezembro de 2021, as entregas atingiram 3,314 milhões de toneladas.

Já a produção nacional de fertilizantes intermediários aumentou 7,3% em 2021, totalizando 6,990 milhões de toneladas, com 663,95 mil toneladas de adubos intermediários produzidos em dezembro.

A importação de adubos intermediários aumentou 19,3% no ano passado, para 39,201 milhões de toneladas, e as exportações do produto em 2021 totalizaram 683,83 mil toneladas, alta anual de 17,1%.